quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

GESTÃO DIVIDIDA ENTRE FILHO E MÃE CASTIGA CIDADE DE PAU DOS FERROS

Por César Santos
O que está havendo com o sistema de saúde pública de Pau dos Ferros, que até pouco tempo era visto como referência na região do Alto Oeste?

As unidades parecem sucateadas, afetando as pessoas que necessitam de assistência. A crise, que estourou em menos de um ano da gestão do prefeito Fabrício Torquato (DEM), parece bem exposta no desabafo que a pau-ferrense Gilmara Ferreira fez em seu endereço na rede social.

Abre as aspas:

Onde vai parar o desmantelo na saúde de nossa cidade, heim? Eu, com um filho recém-nascido e babatando para cima e para baixo para vaciná-lo, e em nossa cidade, nenhum postinho tem a vacina, viu?

Vocês tenham noção.

Ficam jogando a gente de um canto para outro e nada. Voltou para casa sem tomar a vacina e não tem o que fazer; é esperar pela boa vontade de eles pedirem essas vacinas, né?

Fecha aspas.

Pois bem…


O caos que experimenta a saúde pública da principal cidade do Alto Oeste é consequência da falta de gestão, o que coloca em dúvida a capacidade administrativa do jovem prefeito ou expõe a forma fracionada como a família Torquato vem comandando o Município.

Fabrício manda numa parte; sua mãe, a ex-vice-prefeita Maria do Rego Torquato, “administra” outra. Uma gestão a quatro mãos e 20 dedos, que tem dividido o destino de Pau dos Ferros entre a Praça Getúlio Vargas (Palácio oficial) e a Avenida 15 de Novembro (residência de Maria Rêgo).

As consequências são danosas. Por gravidade, afetando a vida das pessoas.
O que incomoda a população é que práticas que haviam sido eliminadas da gestão pública municipal, por força e determinação do ex-prefeito Leonardo Rêgo, hoje secretário de Recursos Hídricos do RN, estão voltando com força, fazendo Pau dos Ferros voltar ao passado indigesto.

O fato de Fabrício ser jovem e não ter se emancipado da influência da mãe, o que o deixa sem poder de decisão, é um dos fatores apontados como nocivos a sua gestão.

Ao mesmo tempo, confirma a desconfiança de parcela dos pau-ferrenses de que se ele fosse eleito, a cidade seria entregue a sua mãe.

Coisa parecida com o medo que Mossoró tem, de um dia eleger prefeita a deputada Larissa Rosado e entregar a cidade à deputada federal Sandra Rosado (PSB), sua mãe. Os mossoroenses, até aqui, têm dito não ao suposto risco. Já os pau-ferrenses pagaram para ver e a conta tem sido indigesta.

No entanto, como ainda tem tempo para consertar, o jovem Fabrício pode se impor e decidir que a Prefeitura de Pau dos Ferros não deve ser uma extensão de seu sobrenome.


Fonte: Jornal de Fato

Nenhum comentário:

Postar um comentário