domingo, 9 de dezembro de 2012

TRAJETÓRIA DE LUIZ GONZAGA É RESGATADA EM SEU CENTENÁRIO DE NASCIMENTO

Na voz e no dedilhar da sanfona de Seu Luiz, o Nordeste foi elevado a uma nova condição, rompendo barreiras e transformando paradigmas, abrindo caminho para a música regional. Gonzaga deu ao baião uma nova roupagem, implementando elementos como a zabumba e o triângulo, junto com a sanfona, em uma mistura que marcaria para sempre o gênero forró. Sua vida é repleta de particularidades, nuances que transformaram o solista, que explodiu como cantor, no artista mais popular do país, alçando-o a categoria de "Rei".

Na próxima quinta-feira, 13, dia de Santa Luzia, o país direciona seu olhar ao centenário de nascimento de Luiz Gonzaga. Ao longo do ano, diversas homenagens foram promovidas para o Rei do Baião, mas é no dia 13 que as comemorações atingem o seu ápice.
Nascido em 1912, numa sexta-feira, na Fazenda Caiçara, em Exu, Pernambuco, Luiz Gonzaga do Nascimento foi o segundo dos nove filhos do casal Januário José dos Santos, o Mestre Januário, sanfoneiro de oito baixos afamado na região, e Ana Batista de Jesus, conhecida por Santana.

Aos treze anos, o futuro "Rei do Baião" compra sua primeira sanfona, na cidade de Ouricuri, dando início ali a uma trajetória de sucesso. "A influência deste homem para o reconhecimento de um outro Brasil, a região Nordeste, foi de uma forma sem par.

A partir de suas músicas e interpretações, o Brasil descobriu seu celeiro cultural. 'Luiz Gonzaga Não Morreu' é uma frase que expressa a minha opinião, de fã, pesquisador e, sobretudo, reconhecimento por tudo o que representa para a nossa Música Popular Brasileira o 'Rei do Baião', grande influenciador da geração dos anos 70, como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Elba Ramalho, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, Fagner e tantos outros das gerações seguintes.

A partir do momento em que uma de suas músicas está sendo executada e ouvida, em qualquer lugar do mundo, também estará viva a pessoa e à memória dele. Usando as palavras do grande Rui Barbosa: A morte não extingue, transforma; não aniquila, renova; não divorcia, aproxima", afirma o historiador Kydelmir Dantas.

Gonzaga teve ao seu lado parceiros fundamentais para alavancar a  carreira.  Entre eles nomes como Humberto Teixeira, José Marcolino, Onildo Almeida, João Silva, pessoas que o ajudaram a difundir o xaxado, xote, aboio, xamego e toada. "O Rei do Baião cantou também valsas, frevos, maracatus, marchinhas de carnaval, choros e mais uns 30 gêneros musicais", complementa Kydelmir Dantas.

O compositor do hino dos nordestinos "Asa Branca" também foi um namorador nato. Pelo menos quatro grandes amores preencheram seu coração ao longo da vida: Nazarena, Odaléia, Helena e Edelzuíta, sendo esta última a parceira do sanfoneiro quando ele já tinha chegado aos 63 anos. Gonzaga também foi militar, cabo do Exército e político, chegando a anunciar que pretendia se candidatar a deputado pelo MDB.

Mas foi na música que o velho "Lua", como também é conhecido, se encontrou, tornando-se referência quando se fala, e ouve, o autêntico forró. "O ritmo implantado por Gonzagão permanece, o que mudou, ou seja, as estilizações, praticamente são apenas em cima de um ritmo só, o xote.

Aí criou-se o 'forruim'. Mas há quem goste.  Com relação as modalidades onde se diz 'universitário', 'de raiz', são só em torno do mercado fonográfico.

No final, a essência é bebida na fonte Gonzaguiana, e só. Tudo isto pode ser encontrado no livro "O Fole Roncou! Uma História do Forró", de Carlos Marcelo & Rosualdo Rodrigues", conta Kydelmir Dantas, cujo interesse por Luiz Gonzaga teve início nos anos 60, na Paraíba, através das ondas sonoras da Rádio Brejuí, de Currais Novos."Aquelas melodias, a voz grave, o toque da sanfona. Lembro que a música Olha pro céu sempre me fazia levantar a vista, e vislumbrar a noite, os balões, os fogos de artifício, num enlevo de criança, numa saudade de adulto, como ainda hoje é recorrente. Esta é que é a história", conclui.
Fonte: Jornal O Mossoroense

Nenhum comentário:

Postar um comentário