terça-feira, 2 de agosto de 2011

PRESO DE ALTA PERICULOSIDADE É TRANSFERIDO PARA PRESÍDIO FEDERAL DE MOSSORÓ

Iraniano condenado a 128 anos foi trazido para o presídio Federal local em sigilo na última sexta-feira, 29

O iraniano Farhad Marvizi, 47, considerado de alta periculosidade mesmo estando preso foi transferido sexta-feira passada, 29, em sigilo para o Presídio Federal de Mossoró. Farhad Marvizi e sua mulher foram sentenciados nos crimes de lavagem e evasão de divisas.


Ele foi condenado pela Justiça Federal de Fortaleza-CE a 128 anos de reclusão em regime fechado, pelos crimes de evasão de divisas e lavagem de dinheiro, cometidos no Ceará. Sua mulher, a cearense Sandra Almeida do Nascimento, 34, recebeu, pelos mesmos crimes, a pena de sete anos e oito meses, a ser cumprida em regime semi-aberto. Ambos podem recorrer da decisão.

Prestes a completar um ano de sua prisão, em 12 de agosto do ano passado, por acusações em crimes de homicídio, Marvizi foi transferido na última sexta-feira, 29, para a Penitenciária Federal de Segurança Máxima em Mossoró -RN. A transferência foi feita sob sigilo por agentes da Polícia Federal.

Na sentença, o juiz da 11ª Vara Federal, Danilo Fontenelle Sampaio, reafirmou a necessidade de o iraniano continuar mantido detido e renovou sua prisão preventiva. A condenação por lavagem e evasão de divisas daria a Marvizi o direito de aguardar em liberdade enquanto recorrer da pena, mas o juiz considerou que “há claros indicativos da existência de um risco concreto de que, em liberdade, o condenado poderá voltar a praticar delitos”.

A transferência para Mossoró fez parte da precaução tomada pelas autoridades locais. O iraniano tem seu nome citado em pelo menos 17 investigações por crimes de homicídio, estelionato, receptação, violação de direito autoral, furto e posse de arma.

A própria sentença judicial lista o nome de nove pessoas que teriam mortes atribuídas a Farhad Marvizi nos últimos anos: o casal Carlos José Medeiros Magalhães e Maria Elisabeth Almeida Bezerra, Francisco Cícero Gonçalves de Sousa, Marcelo Lessa Soares, Francisco Assis Quintino, o italiano Mário Procópio, Luzimário Ferreira da Silva, Tárcio Oliveira Evangelista e o empresário Francisco Francélio Holanda Filho.

O iraniano chegou a ser apontado também pela tentativa de homicídio ao auditor fiscal José de Jesus Ferreira, no início de 2009. Mas a denúncia foi considerada improcedente, mesmo sob protesto da categoria de auditores no Ceará.

Todos, segundo as investigações policiais, teriam sido ordenadas ou cometidas pelo iraniano, que recorreria a serviços de um grupo de matadores formado por vários policiais. Seus advogados de defesa negam as acusações. As acusações de homicídios tramitam na Justiça Estadual.

A sentença também aplicou multas de R$ 750 mil ao iraniano e de R$ 6.500 à sua mulher. Marvizi e Sandra, juntos, foram acusados de transferir US$ 1.690.050,00 para o Exterior, entre 1997 e 2000. Na investigação, foi apurado que os dois prestaram declarações falsas sobre o uso de travellers checks (cheques de viagem).

Ao invés de cobrir despesas dessas viagens, a moeda estrangeira ia para operações irregulares, inclusive tratamento médico no Exterior.

O iraniano é portador de uma bexiga artificial. No dia 9 de junho último, a doença foi usada como argumento trazê-lo de volta ao Ceará, onde estava mantido no xadrez da Polícia Federal.

A Justiça também confiscou bens apreendidos nas duas empresas de Marvizi e em sua casa, e bloqueou contas bancárias do casal.
Fonte: Gazeta do Oeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário