segunda-feira, 28 de novembro de 2011

JULGAMENTO DO CASO DA MEGA-SENA COMEÇA NESTA SEGUNDA-FEIRA

Júri da 'viúva 
da Mega-Sena' começa hoje (Alicia Uchoa /Arquivo G1)
Viúva da vítima e mandante do crime

Milionário René Senna foi assassinado em janeiro de 2007, no RJ. Serão julgados a viúva do milionário e mais três envolvidos.

Começa nesta segunda-feira (28), no Tribunal do Júri de Rio Bonito, na região das Baixadas Litorâneas, o julgamento do assassinato dos suspeitos do ganhador da Mega-Sena, René Senna. A morte do milionário ocorreu em 2007. Serão julgados a viúva do milionário e mais três envolvidos.

O júri será presidido pela juíza Roberta dos Santos Braga Costa, da 2ª Vara de Rio Bonito. De acordo com o TJ, o julgamento deve durar em torno de três dias.

Os ex-seguranças da vítima, o ex-policial militar Anderson Silva de Sousa e o funcionário público, Ednei Gonçalves Pereira, já foram condenados a 18 anos de reclusão, cada um, pelo assassinato de René Senna e pelo crime de furto qualificado. O julgamento dos dois foi em julho de 2009, segundo o TJ.

Prêmio de R$ 52 milhões em 2005

Ex-lavrador, René Senna, ficou milionário em 2005, ao ganhar R$ 52 milhões no prêmio da Mega-Sena. Diabético, ele tinha perdido as duas pernas por causa de complicações da doença, e llevava vida simples em Rio Bonito. Com o dinheiro, comprou casa para os irmãos, um quadriciclo para circular e uma fazenda na cidade, onde mantinha centenas de cabeças de gado. Com medo de sequestro, ele havia contratado seguranças. Mas apesar de ter enriquecido, mantinha hábitos simples, como o de beber com amigos num bar próximo de sua fazenda.

Em 2006, começou a namorar a cabeleireira 25 anos mais nova que ele. Ela abandonou o emprego e foi morar com ele na fazenda, junto com dois filhos do primeiro casamento. Segundo parentes do milionário, ela passou a usar roupas caras e a circular num Mercedes-Benz, acompanhada de seguranças.

René Senna foi morto a tiros na manhã de 7 de janeiro de 2007, no Bar do Penco, perto de sua propriedade, por dois homens encapuzados, que estavam numa moto. Ele estava sem os seguranças. No dia do enterro, começaram as primeiras suspeitas da família do ex-lavrador contra a viúva, que tinha passado o réveillon com um amante em Arraial do Cabo, na Região dos Lagos do Rio.
Fonte: G1.com


Nenhum comentário:

Postar um comentário