domingo, 13 de novembro de 2011

MOSSORÓ, A TERRA DA FAMÍLIA ROSADO

Jerônimo Rosado, o patriarca da história
Desde o século dezenove, a família Rosado ocupa Mossoró. Do político ao social, nomes de ruas, de bairro, de hospital, de ponte, entre muitos outros, os principais pontos, tem o nome de um "Rosado".

Também conhecida como o "país de Mossoró", a capital do oeste potiguar recebeu essa denominação, graças, também, à família Rosado.

A história começou com o patriarca Jerônimo Rosado. Empreendedor que acreditava na espécie humana. Graças à performance do patriarca, Mossoró é hoje, um ícone da cultura potiguar.

 

Jerônimo Vingt-un Rosado Maia . Nascido numa família de políticos, era filho do farmacêutico paraibano Jerônimo Rosado. Teve como irmãos o ex-governador Dix-Sept Rosado, o ex-deputado federal Vingt Rosado e o ex-prefeito Dix-Huit Rosado.

Alguns filhos de Jerônimo Rosado receberam seus nomes em algarismos em língua francesa, extravagância incomum no registro civil brasileiro, entre eles:

Jerônimo Rosado Filho, Laurentino Rosado Maia,Tércio Rosado Maia, Izaura Rosado, Laurentino Rosado Maia, Isaura Sexta Rosado de Sá, Jerônima Sétima Rosado, Fernandes, Maria Oitava Rosado Cantídio, Isauro Nono Rosado Maia, Vicência Décima Rosado Maia, Laurentina Onzième Rosado Fernandes, Laurentino Duodécimo Rosado Maia, Isaura Trezième Rosado Maia, Isaura Quatorzième Rosado de Magalhães, Jerônimo Quinzième Rosado Maia, Isaura Seize Rosado Coelho, Jerônimo Dix-sept Rosado Maia, Jerônimo Dix-huit Rosado Maia, Jerônimo Dix-neuf Rosado Maia, Jerônimo Vingt Rosado Maia, Jerônimo Vingt-un Rosado Maia.

Em 17 de abril de 2011 alguns membros da família participaram do Domingão do Faustão, falando sobre os nomes incomuns. 

Dix-Sept Rosado, tem estátua na praça Vigário Antônio Joaquim

Antes de ser eleito governador do Estado (1950), o jovem líder Dix-sept Rosado foi prefeito dos mossoroenses, revolucionando a administração pública da época, criando a primeira companhia de economia mista do Estado em uma prefeitura municipal. 

O líder Dix-sept Rosado contingenciou verba pública para materializar a capitalização da Companhia Melhoramentos de Mossoró S/A - C O M E M S A, para explorar água, luz e telefone. Arregimentou comerciantes, visionários como ele e apaixonados por Mossoró, liderados pelo comerciante paraibano (radicado em Mossoró) Francisco Marques que, sozinho, comprou um terço das ações da COMEMSA, colocadas à venda para o público. 

Em Mossoró, a homenagem a Dix-Sept Rosado, foi colocada na praça vigário Antônio Joaquim, enquanto que o busto em homenagem ao Vigário foi colocado escondido entre árvores.

Historiador Geraldo Maia, é um conhecedor da "Saga Rosado"

Procurado pela equipe de reportagem do Correio da Tarde, o historiador Geraldo Maia, grande conhecedor da história, disse que em Mossoró, os "Rosado" chegaram em uma época em que todos se juntavam para fazer as coisas acontecerem. "Lembro muito bem das conversas, de que no começo, eles se reuniam para fazer com que as coisas acontecessem. Jerônimo Rosado teve uma influência muito grande, foi quando tudo começou", disse.

Para Geraldo Maia, tudo em Mossoró, os principais atos, tem que ter o nome de um membro da família Rosado. Para ele, em certo ponto, essa situação pode até ser considerada como abuso de poder. "Algumas homenagens são merecidas, mas a questão de se colocar um nome Rosado em tudo chega a ser abuso de poder. Antônio de Souza Machado, por exemplo, quais os prédios que ganharam nome dele? Na praça do vigário Antônio Joaquim, a estátua é uma homenagem a Dix-Sept Rosado, porque lá a movimentação é intensa, e a do padre, ficou escondida na rua Dix-Sept Rosado", finalizou o historiador.

Em Mossoró, ruas, praças, teatro, hospitais, quase tudo, tem um nome Rosado.
Fonte: Correio da Tarde

Nenhum comentário:

Postar um comentário