sexta-feira, 29 de julho de 2011

MORTOS EM UMARIZAL: TESTEMUNHAS RECONHECEM IRMÃOS

Irmãos Alisson e Márcio
Os dois irmãos mossoroenses que morreram durante uma operação policial na cidade de Umarizal na quarta-feira passada, 20, foram reconhecidos como integrantes do trio que roubou um pequeno mercadinho na cidade por testemunhas que prestaram depoimento à Polícia Civil. Apesar dos depoimentos, a investigação busca ainda outras provas contra os dois irmãos e um terceiro suspeito está sendo procurado. Para a família dos irmãos, eles foram mortos em uma desastrosa operação da Polícia Militar.

Segundo o delegado Getúlio Medeiros, que está à frente das investigações, todos os indícios colhidos até o momento reforçam a versão dos policiais militares de Umarizal, que disseram ter atirado contra os irmãos em legítima defesa. Com os irmãos Maxwuel Alisson Torquato Cosmo, 28, e Antônio Márcio Torquato Cosmo, 27, os policiais apreenderam um revólver calibre 38 e algumas cervejas com etiquetas do supermercado. O assalto ocorreu durante a manhã da quarta-feira e os irmãos foram mortos na operação policial à noite. Os depoimentos reconhecem também o carro usado pelos dois.

Por enquanto, a polícia conta somente com provas testemunhais, todas contra a versão dos familiares dos irmãos, segundo Getúlio Medeiros. Mesmo assim, ele faz questão de frisar que ainda não tem uma conclusão sobre o que realmente aconteceu. O delegado pondera que a investigação deve possuir outros elementos, além das provas testemunhais. "As pessoas prestaram depoimento e disseram que foram os dois e mais um terceiro. Mas não vou me limitar aos depoimentos puramente; queremos provas que possam robustecer a investigação", lembra o delegado.

Outra informação contestada por Getúlio Medeiros, com base no que foi colhido até o momento, é sobre supostas marcas de tiros à queima-roupa, o que colocava em xeque a versão dos policiais militares e ascendia a ideia de uma dupla execução. Visivelmente chateado com o surgimento desses boatos, o delegado disparou: "Lamentavelmente, surgiram comentários maldosos sobre tiros à queima-roupa. Isso aí não procede. Foi uma história maldosa que se criou. Eu não sou nenhum perito, mas essa conversa não procede. Alguém disse isso no local do crime e a história foi se espalhando", fala.

A fase inicial da investigação já foi praticamente concluída, de acordo com Getúlio. Ele já colheu todos os depoimentos, da vítima do assalto e dos policiais envolvidos na operação, bem como de outras pessoas ligadas ao caso. Agora, explica o delegado, a Polícia vai esperar pelo resultado de vários exames periciais que foram feitos pelo Instituto Técnico-Científico de Polícia (ITEP) de Mossoró. Com os exames, o delegado espera esclarecer todos os fatos a respeito dessa ocorrência policial. Por enquanto, Getúlio Medeiros afirma não ter como precisar uma data para concluir toda a investigação.
Fonte: Jornal de Fato

Nenhum comentário:

Postar um comentário